domingo, 12 de dezembro de 2010

Presas de Cobra

Outro dos veículos que entrava no 1º anúncio de TV em Portugal em 1987, era o Cobra F.A.N.G. Inclusivamente, pode até dizer-se que foi o 1º veículo a aparecer, sendo que o anúncio começava com uma esquadra destes helicópteros a aparecer como ameaça a um posto Action Force (G.I.Joe). Em 1991, chegaria a versão II deste F.A.N.G., acrónimo para Fully Armed Negator Gyrocopter.


Entre os dois existia uma enorme diferença que ao mesmo tempo serve uma vez mais de exemplo do que era, de facto, a marca. Realismo moderno (F.A.N.G.) e design futurista (F.A.N.G.II).

 
Originalmente parte da série 2 lançada em 1983 nos EUA, chegaria a Portugal como referido, em 1987. No entanto, eram importados da Rep. da Irlanda com referência de fabrico em 1986. Sendo que os veículos em si vinham datados de 1983, é possível que o fabrico se referisse apenas à embalagem (Action Force).


O Cobra F.A.N.G. é um dos mais mediáticos veículos da linha, tendo "servido de base" para o desenho de versões semelhantes de empresas como a Chap Mei e Lanard.Armado com 4 rockets, uma bomba e um canhão frontal, era uma pequena plataforma de miséria para os Action Force (G.I.Joe). Além do piloto, podia transportar mais 2 figuras nos esquis do trem de pouso.


O "MkII" do F.A.N.G. chegaria a Portugal em 1991, tendo sido lançado em 1989 nos EUA. Era uma aeronave de "tiltrotor", ou seja, os motores eram dirigidos num ângulo de 180º de modo a permitirem uma aterragem e levantamento vertical (VTOL). Mais bem armado que o seu antecessor, possuía além do canhão laser no nariz, 6 mísseis. Teve os seus segundos de fama na TV na mini-série da DIC "Operation Dragonfire" que foi a primeira série de desenhos animados de G.I.Joe a passar em Portugal.


Com o emblema dos corpos aéreos dos Cobra (asas ao lado da Cobra), tinha o habitual esquema de cores, um design arrojado, embora criticado por muitos. Não deixava de ser um veículo interessante, e sendo que foi pilotado pelo Serpentor no referido episódio da DIC, ganhava para mim, um carisma diferente. Nunca o encontrei à venda em Portugal e acabei por comprá-lo muitos anos mais tarde pela internet. Os rotores, sendo apoiados numa haste, rapidamente rodavam descontroladamente uma vez que diminuía a tensão entre as 2 partes que compunham a asa, ou plataforma dos rotores com o passar do tempo.

Sem comentários:

Publicar um comentário