segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Veículo da semana: Motorized Battle Wagon

Original de 1991(EUA), este veículo motorizado (a pilhas) chegaria a Portugal com a última série distribuída em larga escala pelas lojas e grandes superfícies. No entanto e mesmo assim, este veículo não foi uma das apostas de comércio por grosso ficando assim a sua disponibilidade limitada às lojas da especialidade.


Com um preço que variava entre 8.500$ e 13.000$ em finais de 1992/ inicio de 1993, associado a uma fraca aposta de marketing em Portugal, naturalmente perdia para brinquedos "insurgentes" que juntos, lenta mas certamente retiravam a coroa de vendas a G.I.Joe.


O Motorized Battle Wagon ou simplesmente Battle Wagon era o maior veículo da série de ´93(Portugal) que contavam com 2 sistemas motorizados: Locomoção e tiro. 


Um pequeno monstro que se assemelhava a um carro telecomandado em dimensão. No entanto, e no fundo era o seu calcanhar de Aquiles, não era comandado por rádio. Ainda assim e para muitos fãs de G.I.Joe, tornou-se um item de referência. 


Assim, a ignição e movimento eram controlados por um botão que se encontrava na traseira e que permitia ao Battle Wagon movimentar-se em frente ou para trás. Tendo eixos fixos, não podia virar para a esquerda ou direita fazendo deste veículo uma máquina bastante limitada. Em sua defesa, posso adiantar que quando se movia era quase imparável, transportando as 8 a 10 figuras a uma velocidade interessante...


Assim como a maior parte dos "restos" que as lojas de brinquedos acumulavam, deixando de cair nas boas graças das crianças, G.I.Joe foi caíndo nas promoções, saldos e liquidações nos finais dos anos 90. A 50% o Battle Wagon acima custou 5.000$ (cerca de 25€ na moeda actual). Considerando a inflação, custaria hoje em dia 50€ o que não era de todo um mau preço.    


Como a maioria das "versões europeias", também o Battle Wagon difere do seu "irmão" americano embora de uma forma quase imperceptível. A versão americana (que se vendia em França e Alemanha por exemplo) tem um canhão de uma cor mais laranja e um verde mais seco. Alguns autocolantes podem diferem na cor sendo a versão americana menos fluorescente.


Este veículo vinha equipado com um sistema de guincho manual. Para um veículo tão limitado em movimentos como potenciado pela força do motor, era uma função que lhe garantia uso. Desde retirar outros veículos dos Joes de locais inacessíveis a simples operações de resgate ou abrir portões de bases Cobra, passando pelos mais estranhos usos, fazia de tudo.


Se a referência à motorização para locomoção possa soar desinteressante ou banal, já o sistema de tiro era bem mais utilitário. Além de poder ser usado como principal arma do Battle Wagon, podia ser retirado do veículo e usado como bateria de mísseis no solo...

 

Paralelamente, passávamos a ter acesso à cabine de controlo de tiro, agora a descoberto. Simples, mas dotada dos habituais monitores e detalhes de qualquer veículo desta linha. Tudo considerado, bastante satisfatório.

Uma vez fora do "Wagon", o canhão era agora operado por um Joe que se colocaria na cadeira de artilheiro. 


Equipado com um motor eléctrico, este canhão disparava 8 mísseis em sequência e a uma distância considerável. O som do motor em rotação faz lembrar uma verdadeira "Gatling gun". O controlo de tiro pode ser visto na imagem e sendo sensível ao toque, podia disparar os 8 mísseis rapidamente como dispará-los um a um dependendo da arte do atirador.


Debaixo da grelha de protecção da cabine do carro, podiam ser colocados 2 Joes. Curiosamente, este enorme veículo não trazia piloto. Esta era uma infeliz prova da curva descendente da marca em função do seu glorioso passado e que anunciava uma transição para um mercado onde já não era única. Razões que levaram ao seu cancelamento no ano que se seguiria.

 
O Battle Wagon ficou assim na História como uma das "bestas" da colecção e para todos os efeitos, um dos últimos marcos da 1ª geração de G.I.Joe.

Sem comentários:

Publicar um comentário