domingo, 6 de fevereiro de 2011

Caos!

Em 1988 chegaria a Portugal mais um peculiar veículo de conceito futurista, embora e como sempre, perfeitamente integrado no mundo militar. H.A.V.O.C. (Veículo Pesado Articulado Transportador de Material Bélico).

   
Incluindo uma figura, era capaz de transportar até 12 e trazia escondido na sua traseira, um veículo de reconhecimento avançado. Com 4 mísseis, 2 canhões frontais e 2 traseiros, completava o arsenal com uma estação armada posicionável que se encontrava no topo do veículo.


O veículo de reconhecimento tinha capacidade para um ocupante e tinha duas turbinas que lhe permitia sustentar-se numa almofada de ar. Equipado com 2 canhões, podia inclusivamente ser mais um "ás" na manga se a batalha se tornasse mais feroz.

Um original de 1986 (USA), o H.A.V.O.C. era imponente e cheio de modernos detalhes. Além do veículo de almofada de ar que acima se encontra arrumado no interior do veículo-base, o enorme canhão duplo movia-se 60º e os braços que o sustentavam podiam permitir que este se movesse frontalmente acima da cabine do condutor. Ambos os eixos das lagartas podiam ser dirigidos, permitindo uma maior manobrabilidade.


O condutor e co-piloto conduziam deitados (que também por si era uma curiosa inovação). Para mim e no longínquo ano de 1988, este veículo teve lugar de destaque no seio da minha colecção. E hoje, não só traz memórias de "grandes batalhas", como goza o seu merecido descanso junto a outra unidade que entretanto acabei por comprar. 


A figura incluída era o condutor, Cross-Country.Operador de material pesado, a sua especialização primária era blindados. Era conhecido pela sua habilidade de condução de veículos pesados e por encontrar no mais difícil dos terrenos, o melhor caminho.


Se na foto acima tenha ficado a ideia que o H.A.V.O.C. mais claro era uma variante, é conveniente alertar uma vez mais para os perigos da exposição ao sol. Se nuns casos (plásticos cinzentos e brancos) o efeito é amarelado, noutros não é menos devastador embora o resultado possa parecer mais "interessante".

 

Sem comentários:

Publicar um comentário