quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Larva!

Larva foi o nome dado pelos Cobra à sua arma autopropulsada de 1987. 3 unidades de batalha num só veículo, o Cobra Maggot chegaria a Portugal em 1989, com o 3º catálogo e série.


Criado para ser uma unidade de combate a solo com capacidade de se proteger a si mesmo sem necessidade de outros veículos ou estações, é uma das mais ferozes armas no arsenal dos Cobra.


Imagem do catálogo de 1989 - em português!


Tripulação: 4. Comandante, artilheiro, carregador de canhão e condutor. Ao separar-se, o condutor toma o comando do veículo anti-tanque, o artilheiro assume as rédeas do veículo de controlo de batalha e os dois especialistas de armamento ficam no canhão estacionário.


Um detalhe a não deixar de parte prende-se com a mobilidade deste veículo. Usando uma junta hidropneumática de articulação e separação entre veículo de comando e de reconhecimento, o Maggot pode deslocar-se em terreno extremamente acidentado de forma a posicionar a sua arma principal em locais aparentemente inacessíveis.


Das 3 partes que compõem a "larva", a peça de 155mm é naturalmente a arma principal. Capaz de atingir o seu alvo a distâncias incrivelmente longas, consegue-o graças aos projécteis assistidos por foguete. Tem capacidade para 2 ocupantes, embora possa ser totalmente operado por 1.


A sua 2ª arma é um tanque de reconhecimento. Uma vez separado da unidade, este tanque anti-veículo usa o seu radar para desferir potentes disparos com o canhão de 40mm, contando ainda com uma arma metralhadora frontal suplementar.


Não esquecendo que este é também (e especialmente) o veículo de tracção do posto de comando de batalha e peça de artilharia, é movido por um potente motor turbo-diesel de 1000cv.


O veículo de controlo de batalha é a base da peça de artilharia quando acoplada, mas torna-se um importante elemento de toda a unidade quando separada. Atingindo rapidamente pontos estratégicos em combate, pode facilmente direccionar os disparos de forma a garantir correcções em tempo real. Como protecção conta apenas com a sua forte blindagem, não tendo portanto qualquer tipo de armamento defensivo ou ofensivo.


Incluído com o Cobra Maggot, vinha W.O.R.M.S., o seu condutor.  Treinados em artilharia, condução, munição e mecânica do veículo que operam, os W.O.R.M.S. estão prontos para ocupar qualquer posição desta máquina. Assim, são uma equipa de 1. Não são necessárias grandes qualificações para este tipo de soldados. Além de serem capazes de assimilar o treino dado para o efeito, é apenas necessário que tenham capacidade física para aguentar um projéctil de 155mm debaixo de um dos braços e uma roda debaixo de outro.


A figura em si é extremamente interessante enquanto coleccionável. Além do capacete que dificilmente se encontra completo e em bom estado (o pequeno e fantástico símbolo Cobra pintado na frente sai com uma facilidade incrível), esta figura parece o Rocketeer de Dave Stevens, um super-herói inspirado nas décadas de 30 e 40. Embora sem grande peso na hierarquia dos coleccionadores de G.I.Joe, é um dos meus preferidos. A antena no capacete é um dos acessórios mais difíceis de encontrar, e a melhor forma de garantir um W.O.R.M.S. completo e imaculado é comprando um Maggot selado. Felizmente, consegui há uns bons anos um exemplar para juntar ao que já tinha montado e completo.

    










Sem comentários:

Publicar um comentário